fbpx

Sistema CNDL

Notícias

Em uma das piores crises, MG ainda não anunciou 13º dos funcionários

11 de novembro de 2016

Com uma das piores crises financeiras dos últimos 30 anos, segundo o governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), o pagamento do 13º do funcionalismo público não havia sido anunciado até o dia 7 de novembro. Os trabalhadores ainda enfrentam parcelamento de salários e o estado tem dificuldades para pagar fornecedores.

Neste ano, houve ainda corte de gastos e em investimentos e uma reforma administrativa. Estas medidas foram tomadas, de acordo com o governo, na tentativa de equilibrar as contas. Para 2017, o governo prevê uma melhora no orçamento, mas ainda com déficit.

Segundo a assessoria do governo, desde fevereiro deste ano os funcionários públicos com vencimento superior a R$ 3 mil recebem o salário em três datas. A medida, de acordo com a assessoria, impacta 25% dos trabalhadores.

Conforme o executivo estadual, a arrecadação do estado até o 5º dia útil não tem sido suficiente para o pagamento integral dos salários em 2016. O governo garantiu que, apesar do parcelamento, todos os salários estão em dia.

Sobre o pagamento a fornecedores, a administração estadual informou que o atraso tem sido em média, de até 90 dias, com fornecedores de diversas áreas. Ainda conforme o executivo, a prioridade no pagamento tem sido para os fornecedores que atuam em áreas essenciais, como saúde, educação e defesa social.

No início do ano, o governador Fernando Pimentel (PT) anunciou que o estado cortaria R$ 2 bilhões do orçamento. No plano de contingenciamento, a segurança pública foi o setor que teve o corte maior – R$ 360 milhões, na saúde o corte foi R$ 198 milhões. Já o transporte perdeu R$ 157 milhões. Planejamento e gestão teve redução de R$ 69 milhões.

A lei orçamentária do estado previu mais de R$ 92 bilhões para 2016, sendo que 90% deste valor ficaram comprometidos com folha de pagamento, precatórios e cumprimento constitucional em saúde e educação. O governador disse na época também que o déficit total no estado chegava a R$ 8,9 bilhões neste ano.

“O estado tem que ser enxugado. A máquina pública de Minas Gerais é uma das mais inchadas, mais pesadas dos estados brasileiros”, disse Pimentel na época do anúncio dos cortes em fevereiro. Para o governador, esta é talvez a pior crise financeira de Minas Gerais dos últimos 30 anos.

Para o professor de gestão pública da Fundação Dom Cabral Paulo Vicente, as medidas tomadas pelo governo para conter a crise tem se mostrado eficientes. “O melhor indicador que tem sido positiva [veja a baixo a questão so superávit] é que tem revertido o caso”, comentou.

Vicente defende que o executivo terá que continuar fazendo o “dever de casa”. De acordo com o professor, o governo precisa segurar e tentar congelar os gastos. Ele citou ainda que deve ser provável que os reajustes salariais sejam a baixo da inflação como uma medida de controle dos gastos.

Investimentos

Em 2015, o valor orçado pelo governo para investimentos foi de R$ 4,34 bilhões e o valor realizado foi de 3, 19 bilhões.  Já em 2016, o valor orçado foi de R$ 3,85 bilhões e o valor realizado foi de R$ 1,02 bilhão (de janeiro a setembro). No caso dos investimentos, percebe-se uma redução de 29% do valor orçado para 2015 e de 11% do valor orçado para 2016. Com relação aos investimentos realizados, houve redução de cerca de 24% em 2015. Em 2016, também houve uma diminuição, apesar de o valor deste ano se referir a apenas 9 meses.

Medidas para tentar melhorar economia

No fim de 215, o governo de Minas aumentou o Imposto de Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) de diversos produtos. A medida foi tomada para tentar melhorar a arrecadação e conter o déficit nas contas. Em julho deste ano, o governador Fernando Pimentel sancionou a reforma administrativa. A reestruturação incluiu o desmembramento, a transformação e a extinção de cargos, de secretarias e outros órgãos públicos, além de alterações na subordinação de conselhos, na vinculação de entidades e na composição de colegiados e câmaras.

Conforme a Assembleia Legislativa de Minas Gerais, cerca de 18 mil cargos foram extintos. Ainda segundo a Assembleia, houve um acordo para garantir que os servidores administrativos da secretaria de Defesa Social fossem lotados nas secretarias de Segurança Pública e de Administração Prisional, evitando que eles fossem transferidos para outros órgãos do governo.

Superávit

O Estado registrou um superávit primário de R$ 688 milhões no primeiro semestre de 2016, revertendo um déficit de R$ 103 milhões no mesmo período do ano passado, segundo dados do Siconfi/Tesouro.

Para Paulo Vicente, o corte de custos e a reestruturação interna contribuíram para que o governo tenha conseguido reverter o déficit para superávit. “Não estou vendo o governo fazer barbeiragem e também nada inovador. Eles estão fazendo o dever casa”, afirmou.

Situação em 2017

O governo do estado já enviou à ALMG uma proposta de orçamento para 2017 com um déficit de R$ 8 bilhões. Mesmo negativo, o “buraco” é 9,6% menor que em 2016. A receita deve ficar em mais de R$ 87 bilhões. A arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) deve crescer, nominalmente, 6,4% em 2017, na comparação com 2016. Ele representa R$ 42,9 bilhões do total a ser gasto, sendo a principal fonte de recursos do Tesouro Estadual. A previsão é que as despesas fiquem em torno de R$ 95 bilhões. A proposta orçamentária e a revisão do Plano Plurianual de Ação Governamental (PPAG) 2016-2019 foram entregues no dia 30 de outubro. Do total a ser gasto pelo governo, R$ 45,9 bilhões serão destinados ao pagamento de pessoal e encargos sociais do Estado. Os investimentos estão fixados em R$ 2,98 bilhões. A verba ficará mais concentrada nos setores de transporte e obras públicas, saúde, segurança e educação.

Fonte: G1.com.br

Compartilhe